Vince Vaughn, libertário, acredita que acção afirmativa é racismo

Em 15 Fevereiro, 2015

Vince Vaugh, libertário assumido, acredita que acção afirmativa [descriminação positiva] é racismo. Isto, em entrevista com a Playboy, na qual Vince Vaughn parecia extremamente calmo ao ínicio, mas que depois claramente perdeu o temperamento assim que se falou em política e racismo.

 

Perder a virgindade: “Eu sempre tive muita diversão com as meninas, mesmo antes de Swingers. É interessante; Eu era um pouco tardio e nunca encontrei realmente  o meu caminho com o sexo oposto até mais tarde na escola. Eu acho que eu tinha 17 anos, talvez 19, quando eu perdi minha virgindade. ”

 

Ele é um libertário: “Eu usaria o termo libertário para descrever minha política. Eu gosto dos princípios da Constituição e da República, que é uma forma de governo construído em torno da lei. ”

 

O governo federal não deve mandar nas coisas? “Confiar no governo federal para gerir as coisas parece-me uma má ideia. Você vê na política externa da força, que quando os Estados Unidos vão a outro pais fazer s coisas como querem, não corre bem. Só causa mais problemas. Você está a sugerir com uma arma apontada a ti que vais decidir como as coisas vão ser feitas. Os resultados não foram muito bons. Eu estive no Afeganistão e no Iraque. Eu preocupo-me imenso pelas crianças e pelas famílias nas situações deles. Não pode ser fácil. Mas não concordo com a política externa que diz que devemos enviar tropas a sitios sem declarar guerra e sem ter um plano de como vamos ganhar a guerra”.

 

Se ele acredita em acção afirmativa: “Eu vou responder a isso com uma pergunta. Você acredita que o uso de raça como um factor na avaliação de uma pessoa é uma boa maneira de operar? … Então você está a avaliar com base na raça, que é racismo. Direitos não vão ter consigo, porque você é um homem ou uma mulher ou Afro-americano ou Europeu ou Judeu. E eu certamente não acho que o governo federal deveria estar no negócio de decidir as coisas ou de distribuir dinheiro com base em factores como estes. É a mesma coisa com o casamento do mesmo sexo. Quem se importa com o que as pessoas sentem um pelo outro? Deixem as pessoas decidirem por si mesmas com quem é que eles podem casar. Não é esse o trabalho do governo. É entre você e seu parceiro e a sua igreja ou sinagoga ou aquilo em que você acreditar”.

 


(Carregue para aumentar)

Loading...

Tomatadas relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *